Financiamento imobiliário segue aquecido com Selic baixa

Financiamento imobiliário segue aquecido com Selic baixa

A queda nos juros no Brasil teve uma resposta clara no crédito imobiliário. Além de se mostrar resistente e ter uma recuperação após o choque da pandemia, o volume de imóveis financiados ultrapassa o nível dos anos anteriores.

Os dados da Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança) mostram que o crédito imobiliário para pessoas físicas aumentou 44% de janeiro a agosto deste ano, chegando a R$ 51,3 bilhões.

Outro fator que movimenta o mercado imobiliário são os compradores com perfil de investidor. Com a Selic baixa, os investimentos de renda fixa estão menos atrativos, tornando a alternativa de comprar imóveis e ganhar dinheiro com o aluguel mais interessante. Se comparada à rentabilidade da renda fixa, por exemplo, a ideia pode ser bem vantajosa.

A CrediPronto, joint-venture da Lopes com o Banco Itaú, também sentiu uma movimentação positiva mesmo com a pandemia e isolamento social. Felipe Neira, Gerente de Treinamento e Desenvolvimento da CrediPronto, explica que a empresa estava preparada para o novo contexto de trabalho remoto e atendimento ao cliente. “Um dos nossos diferenciais era o atendimento de qualidade mesmo à distância. O que a pandemia fez foi acelerar ainda mais essa característica”.

Os clientes também se adaptaram à nova realidade dos atendimentos por videochamada, e os resultados demonstram que a facilidade pode ter vindo para ficar. No mês de setembro, a empresa obteve um excelente índice no NPS (Net Promoter Score), métrica que mede o grau de satisfação do cliente com a empresa.

“Ficamos muito felizes porque a nossa meta é manter um ótimo NPS, que mostra se tudo está dando certo e se a estratégia está no caminho. O que nós priorizamos é o atendimento de qualidade, uma experiência completa e com agilidade.”

Leave a Reply